15 de julho de 2020

Coutinho se despede da Copercampos após 40 anos de atividades




Ilceu Luiz Machado, o conhecido Coutinho, Gerente Financeiro da Copercampos, atleta e treinador de futsal e de futebol, conhecido e reconhecido por seu carisma, respeito e compromisso, é um exemplo como pessoa. 

Sua trajetória profissional e pessoal está ligada a Copercampos. Com 18 anos de idade, lá em 1980, Coutinho iniciava sua vida profissional na cooperativa. Mas antes disso, Coutinho já dava seus passos profissionais. Aos 13 anos de idade começou a trabalhar no escritório de Contabilidade Rep. Arno Ltda. Foi lá que este camponovense viu despertar sua aptidão profissional. 

O gosto por números, processos e gestão acompanham Coutinho. Quando iniciou na Copercampos, no dia 09 de junho de 1980, ele trabalhava no extinto CPD, processando dados da contabilidade da cooperativa. “Aprendi muito no escritório de contabilidade e fui contratado pelo Presidente Luiz Carlos Chiocca para trabalhar na contabilidade, no Centro de Processamento de Dados – CPD. Não existia computador e trabalhávamos com processadoras com cartão magnético. Por um ano trabalhei nessa área e em 1982, fui designado, juntamente com dois colegas, a ir para Anita Garibaldi trabalhar na organização da unidade por uma semana. Os outros voltaram e eu acabei ficando lá por cinco meses trabalhando na filial. Por ter feito um bom trabalho, quando voltei, fui convidado pelo Vilibaldo Erich Schmid para trabalhar no setor comercial. Nesta área fiquei por cerca de um ano e fui convidado pelo Vice-presidente Valêncio Jacir Granzotto Lemos para trabalhar no setor Financeiro. Quando ele me convidou, aceitei porque trabalhar com finanças era meu sonho”, conta Coutinho. 


Os desafios da cooperativa foram muitos e no setor financeiro o trabalho sempre foi em buscar parcerias com instituições financeiras. “Tínhamos muitas dificuldades nos processos. No início do trabalho fazia controle de bancos e pagamentos. Em 1993 fui designado como Gerente da área e buscamos bancos parceiros e conseguimos fazer com que a cooperativa tivesse sólidas parcerias. Vejo que as cooperativas brasileiras precisam muito dos bancos para ter um giro e isso sempre aconteceu. Sempre tive muita facilidade para buscar negócios, recursos e parcerias com os bancos para dar suporte aos setores da cooperativa e agricultores”.

As dificuldades sempre foram superadas com trabalho, compromisso e parcerias. “Nós fomos sempre coerentes e responsáveis para que a cooperativa trilhasse seu caminho para crescer. Nossas diretorias foram ambiciosas e arrojadas, que oportunizaram o desenvolvimento da cooperativa. Há muita história nestes 40 anos de trabalho e sou grato por ter contribuído com a Copercampos”. 

Sobre seu amor pela cooperativa, Coutinho, emocionado lembra que viu a cooperativa nascer e crescer. “Minha família morava na avenida JK, e jogávamos futebol em um campo em frente onde é o trevo. Vi o primeiro armazém ser construído e quando tive a oportunidade de trabalhar aqui, agarrei a chance. A Copercampos está no meu coração, visto a camisa e como dizem: dei o sangue. Sempre decidimos pelo melhor da empresa e nesse tempo todo procuramos dar suporte a todos os setores e aos associados. Quando entrei no financeiro, coloquei como meta, nunca deixar faltar recursos para novos investimentos e continuidade da cooperativa e encarei isso sempre como missão. Temos muita amizade com executivos de bancos e essa parceria fica como legado. Tudo na vida passa, o agronegócio é uma atividade de risco e buscamos ter diálogo com todas as áreas para administrar o financeiro da melhor forma. Estou me desligando agora, após 40 anos de trabalho, muito feliz pela história que construí. Vou cuidar da minha saúde e das atividades que tenho, mas nunca deixarei de estar aqui presente na Copercampos”, reforça Coutinho.
  
Associado e fiel à cooperativa
  
Ilceu Luiz Machado é associado da Copercampos desde 1992. Produtor de leite e terminador de suínos da Copercampos, ele mantém as atividades em paralelo aos trabalhos na área financeira. “Sempre busquei conciliar a propriedade rural com as finanças. Trabalhava com produção de grãos, mas decidimos investir há alguns anos na pecuária leiteira e suinocultura, pela menor exigência de tempo nestas atividades. Estão dando certo e pretendemos aumentar a suinocultura. Sempre fui e serei fiel à cooperativa que estou ligado a 40 anos”.

 Ter saúde e estar mais com a família

Formado em contabilidade, pós-graduado em administração e gestão financeira e com curso técnico em gestão financeira e gestão empresarial, Coutinho é casado com Rosana Machado há 34 anos, com quem tem dois filhos, Gustavo e Henrique.

A decisão de se aposentar foi difícil, revela Coutinho. “Conversei muito com minha família para tomar esta decisão e foi difícil, mas para cuidar da minha saúde, decidi que é melhor me afastar do trabalho. Vou me cuidar, me dedicar aos meus negócios e estar mais próximo da família. Tenho um sentimento de dever cumprido, fiz o melhor para a empresa, sempre me dediquei, não deixei nunca de pensar na cooperativa e vivi a Copercampos”.



Gestor reconhecido

Coutinho foi sempre reconhecido também por ser um gestor inovador na área. “Fiquei sempre orgulhoso de convites para participar de debates e encontros nacionais por desempenharmos na Copercampos, um trabalho sério e diferenciado na gestão de finanças. São reconhecimentos que levo para a vida por ter me dedicado sempre a fazer o melhor. Uma destes encontros me marcou muito, quando fui convidado a palestrar para um grupo de 60 executivos do país sobre finanças do agronegócio. Fiquei muito honrado em ser lembrado. Agradeço sempre as diretorias da Copercampos, aos colegas de trabalho, aos associados, parceiros de instituições financeiras e aos amigos, por termos juntos, construído grandes histórias na nossa Copercampos”.

Coutinho é hoje presidente da Associação Comercial, Industrial e Rural de Campos Novos – Acircan e do núcleo de Desenvolvimento Econômico Local – DEL de Campos Novos.
  
“Esporte sempre foi meu escape”

Entusiasta do esporte, especialmente de futebol, Coutinho deixou a marca nas quadras, campos e também fora das quatro linhas, como treinador da equipe da Copercampos e Presidente do Campos Novos Futsal, cargo que exerce atualmente, por exemplo. Com a Copercampos colecionou títulos e divulgou o nome da cooperativa pelo sul do Brasil. “O esporte foi a forma que encontrei, por amar o futebol, de aliviar o estresse, relaxar. O esporte é um lazer e nós buscamos divulgar o nome da Copercampos por meio dele. Com organização e respeito as pessoas, tivemos grandes conquistas, títulos e fizemos grandes amizades por meio do futebol”.
  
Fonte: ASCOM – Copercampos

Comentários
0 Comentários